terça-feira, 3 de agosto de 2010

Projeto Outras Áfricas

O Bando de Teatro Olodum, em parceria com o Fundo Nacional de Cultura, lança nesta segunda-feira, dia 09, o projeto Outras Áfricas, onde estudantes de seis escolas públicas de Salvador assistirão ao espetáculo infanto-juvenil Áfricas - primeira montagem infanto-juvenil do grupo, que fala sobre contos e lendas do continente - e debaterão com especialistas sobre o continente. O objetivo do evento é valorizar a herança africana e reconhecer a importância da cultura afro-brasileira na formação da identidade nacional.

Espetáculo Áfricas será apresentado a estudantes de  Salvador
De acordo com a coordenadora do Bando, Chica Carelli, o projeto pretende estimular a curiosidade dos jovens para a aprendizagem da história da África, principalmente após a obrigatoriedade da matéria nos currículos escolares dos ensinos fundamental e médio, a partir da lei federal 10.639, de 2003. Em sua primeira fase, o projeto levará estudantes ao Teatro Vila Velha, nos dias 10, 17 e 19 de agosto, em dois turnos, às 10 horas e às 15 horas, para assistir ao espetáculo Áfricas.


Após cada apresentação, será proposto um debate com um especialista, que vai responder às perguntas e dúvidas dos professores e estudantes sobre o continente. Participam do projeto os colégios da Polícia Militar, Ilê Aiyê, Luiz Tarquínio, Costa e Silva, Edson Tenório de Albuquerque e Ocridalina Madureira. “Numa época em que a sociedade começa a voltar seus olhos sobre sua ancestralidade também negra, o espetáculo tenta, de maneira lúdica, suprir a escassez de referenciais africanos no imaginário tanto de crianças como de adultos, povoado tradicionalmente de fábulas e personagens com características européias”, explica Chica.

Elenco fará oficinas nas escolas participantes

Mostras

Em um segundo momento, o elenco do Bando de Teatro Olodum vai se dividir em seis grupos e desenvolver oficinas de dança, teatro, música e identidade e valorização da memória em cada escola, utilizando as linguagens que o Bando trabalha, fundamentadas na cultura de matriz negra e desenvolvidas em duas décadas de atividades constantes. Cada instituição desenvolverá um trabalho e, no final, todos os grupos serão reunidos e farão uma mostra resultado das oficinas no Teatro Vila Velha.

2 comentários:

EMPOEMAMENTO disse...

Ótima iniciativa, fica a sugestão de estender para outras escolas, posteriormente.

Não faço parte de nenha das escolas selecionadas, mas será que posso participar?

Beijos,

Mileide.

sueblog disse...

A iniciativa é realmente oportuna e por demais importante para o resgate da identidade afrodescendente. Entretanto acho que poderia ser estendida para as escolas que vivem em contexto constante de violência, onde os alunos necessitam de uma válvula de escape para tantas tensões, além de que eles aprenderiam a valorizar a linguagem teatral .